Inglaterra!

Fim de semana chegando e com ele o GP da Inglaterra, no histórico circuito de Silverstone! Antes de falar da corrida em si, vou recortar um trecho do blog do Flávio Gomes com uma breve história sobre o circuito inglês (o link pro blog ta aqui: http://colunistas.ig.com.br/flaviogomes/2011/07/06/silverstone-1948/#comments).

Mas a coisa começou um pouco antes, em 1948. Logo que terminou a Guerra, a maioria dos autódromos ingleses, e nem eram tantos assim, estava nas mãos das Forças Armadas. Donington, por exemplo, virou depósito do Exército;  Brooklands foi usado como centro de desenvolvimento da Royal Air Force. Não dava para correr de nada nessas pistas.

Mas o inverso também poderia acontecer, por que não? E o RAC (Royal Automobile Club, que desde a década de 20 organizava corridas) alugou um campo de pouso em Northamptonshire, área central do país, plana, onde poderia ser feita uma pista para carros sem grandes adaptações. Isso foi em junho de 1948. E foi marcado para outubro um GP para marcar a volta das competições no país.

Curioso é que o primeiro traçado era bem mais lento e travado que aquele que logo depois passaria a ser a maior característica de Silverstone, a alta velocidade. Isso porque num primeiro momento os organizadores acharam melhor usar os trechos internos das pistas de pouso e táxi em vez das estradas perimetrais, que formam a base do circuito até hoje. A pista tinha um monte de curvas fechadas e cotovelos.

A prova foi um sucesso, apesar da precariedade das instalações para equipes e público, com congestionamentos enormes (que perduraram por décadas) e muita lama nos estacionamentos. Tanto que em maio do ano seguinte já fizeram outra, já usando as vias externas, num traçado mais parecido com aquele que virou a marca registrada do GP da Inglaterra.

Deu Maserati em 1948, com Luigi Villoresi ao volante. A velocidade média de uma volta pelos 5.907 m da pista ficou na casa dos 120 km/h para os mais rápidos. Em 1949, essa média subiu para algo em torno de 130 km/h. Na primeira corrida da história da F-1, em 1950, foi para mais de 152 km/h.

Em 1952 o aluguel do autódromo foi assumido pelo BRDC, British Racing Drivers Club, que o comprou em 1971 e é seu proprietário até hoje. Domingo vamos ver Silverstone zerada, com nova área de paddock e boxes. O novo traçado foi inaugurado no ano passado, com seus 5.891 m de extensão, o segundo maior do calendário, perdendo apenas para Spa. Ainda uma pista de alta, com oito de suas 18 curvas sendo percorridas a mais de 250 km/h. É pé embaixo em 69% da volta.

Um lugar mágico para quem gosta de automobilismo.

Muito legal!

O traçado do GP Ingles desde o ano passado!

Mas, fora o tradicional circuito, temos um outro atrativo pra esse GP. A partir de agora fica proibido o difusor aquecido, a grande sacada da Red Bull nesse ano! Para quem não sabe exatamente do que se trata, a Red Bull modificou o posicionamento da saída do escapamento e direcionou-os para o difusor. O ar quente diminui a turbulência na região e aumenta a pressão aerodinâmica. Todo mundo copiou a equipe Taurina assim que perceberam a inovação, mas como toda cópia, não é tão bom como o original!

Com essa proibição, estima-se que a Red Bull vai perder algo em torno de meio segundo por volta, mas na minha opinião, ainda tem carro o suficiente pra continuar conquistando as poles, e vencendo com alguma facilidade. McLaren também deve ter uma queda, e imagino uma melhora da Ferrari, que já tem um bom ritmo de corrida. O problema da Ferrari são os pneus duros que serão utilizados no fim de semana!

A prova inglesa também vai marcar a estréia do promissor piloto australiano Daniel Ricciardo pela Hispania. A Red Bull deu uma graninha pra Hispania (algo que lá é sempre bem vindo) pra botar seu novo prodígio pra correr um pouco antes de correr ano que vem pele Toro Rosso. Com isso a equipe espanhola mandou o Karthikeyan (sei lá como escreve o nome dele) ver TV um pouquinho. Só não dispensou oficialmente por causa dos patrocínios indianos que ele traz, e também porque ele deve correr no GP da Índia no fim do ano!

Daniel Ricciardo estreia pela Hispania nesse fim de semana. E ele tem o nariz do Tony Kanaan

Mas Ricciardo não deve fazer grandes coisas nessa meia temporada de estréia, principalmente nesse fim de semana, e a Red Bull deve continuar levando tudo, um pouco mais apertado, mas vai continuar numa boa!

Saindo um pouco do GP da Inglaterra, não podia deixar de comentar o acordo entre a Williams e a Renault para as temporadas de 2012 e 2013! É a reedição de uma das parcerias mais vitoriosas da F1 que reinou nos anos 90. Rubinho até se animou e falou que quer ficar mais um ano por lá! Pode ser o começo da reestruturação da equipe de Grove, que já trocou toda a parte técnica, e agora muda também os motores!

Hoje o post ficou grande! Mas eu vou ficando por aqui. Segunda eu to de volta! Boa noite para todos!

Sobre Pedro Horta

Engenheiro Mecânico que dá pitacos sobre F1, mas tb apaixonado por esportes, principalmente futebol, e uma boa cerveja!
Esta entrada foi publicada em GP da Inglaterra com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s